casino yellowhead -"Nunca se esqueça que basta uma crise política, econômica ou religiosa para que os direi

Ato Unificacasino yellowhead -do 8 de Março no Rio

"Nunca se esqueça que basta uma crise política,casino yellowhead - econômica ou religiosa para que os direitos das mulheres sejam questionados. Esses direitos não são permanentes, você terá que manter-se vigilante durante toda a vida." A famosa frase da escritora Simone de Beauvoir descreve bem a importância da data 8 de março.

Continua após publicidade

O Dia Internacional das Mulheres é símbolo de luta desde sua origem. No Rio de Janeiro, o 8M é marcado por grandes manifestações com reivindicações de direitos e diferentes propostas de melhorias para a vida de todas as mulheres.

A integrante da Marcha Mundial das Mulheres (MMM) Amanda Oliveira, uma das organizadoras do ato de 8 de março no estado do Rio há sete anos, relembra que os últimos anos foram péssimos para as condições de vida das mulheres, com muitos retrocessos durante os governos de Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (PL).

Leia também: 8 de março: 'Em qualquer instância que estejamos o funcionamento predominante é masculino'

"A gente enfrenta desde 2017 mobilizações do 8 de março que é sempre levantando a voz pela democracia e em defesa da vida, em defesa da democracia, porque naquele contexto de golpe a gente precisava defender [a presidenta Dilma Rousseff], que era a primeira mulher democraticamente eleita, então para nós foi visivelmente um ataque, uma ação misógina. Em 2018, a gente tem o 'Ele Não' e o 8 de março dialogando com essa campanha. Em 2019 e 2020, a gente tem um 8M muito mais voltado para a vida porque Bolsonaro quando entra, entra sistematicamente destruindo muitos e muitos feitos que nós conseguimos através de luta", explica.

Já Tatiana Castelo Branco, também membro da organização do 8M no estado e da Secretaria Municipal de Mulheres do Rio, conta que o assassinato da vereadora Marielle Franco, que até hoje segue sem solução, é um marco bem ruim para a luta das mulheres nos últimos anos. "Muitas de nós a conhecíamos pessoalmente e nós éramos muito positivamente impactadas pela sua atuação no movimento social, no partido político e na construção dos movimentos de mulheres, então isso foi um baque muito grande no 8M RJ", diz.

Ela explica, que apesar de toda a violência simbólica e física que o movimento de mulheres vem sofrendo nos últimos anos, elas não pararam de se organizar nem mesmo durante a pandemia, quando realizaram ações virtuais para celebrar o 8 de março e "manter aceso o debate de luta pelos nossos direitos".

"Estávamos numa pandemia, tivemos que nos reorganizar. Começamos a fazer reuniões virtuais e nosso ato foi uma ocupação nas redes. Foi um momento bastante difícil, não só para o movimento de mulheres, mas todos os movimentos sociais, porque tinha muita coisa acontecendo, muitas incertezas e muita morte, então, estava todo mundo lidando com seus lutos, com a questão da pandemia, a pauta da saúde pública e um enfrentamento a um governo tão terrível", conta Tatiana.

Para este ano de 2023, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de volta ao governo, a expectativa é que haja mais abertura para diálogos para garantir avanços nas pautas do 8 de março e a retomada do que foi sucateado pelo governo Bolsonaro.

:: Governo Lula trará avanços para mulheres, 'mas existem limites', diz Nalu Faria, da MMM::

A militante do Levante Popular da Juventude, que também integra a organização do ato do Dia Internacional da Mulher no estado do Rio, Pérola Quirino, acredita que este é o momento para "derrubar todos os retrocessos e seguir em frente nas diferentes questões que abarquem a pluralidade de mulheres na sociedade".

"A pauta do aborto que nos é muito cara teve um retrocesso muito grande ao longo do governo Bolsonaro, a gente tem um quadro de desemprego muito alto, considerando que as mulheres são chefes de família em metade das residências, a gente tem uma consequência direta na vida dessas mulheres, a gente tem ataques à educação, cortes de verbas nas creches. Esse ano tem um caráter bastante simbólico porque a gente está construindo um 8 de março após termos sido vitoriosos na disputa institucional, com a vitória de Lula, então isso coloca a gente numa outra conjuntura política, onde a gente tem sim que disputar nossas pautas, mas em um horizonte mais otimista", explica Quirino.

Este será o primeiro ano após a pandemia que o Dia Internacional da Mulher terá um ato unificado na capital do Rio, na próxima quarta-feira (8), na Avenida Rio Branco, no centro da cidade. No ano passado, foram realizados diversos pequenos atos pelo estado para evitar aglomerações.

A concentração será na Candelária, às 16h, e o lema é "Sem anistia! Chega de feminicídio e violência contra as mulheres do campo, da cidade e da floresta! Por emprego e renda, pela legalização do aborto e pelo fim da fome! Em defesa da educação e da saúde públicas!"

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse


Artigos relacionados

  • 8 de março: &39;Em qualquer instância que estejamos o funcionamento predominante é masculino&39;

  • No 8 de março, foco dos movimentos será salário e combate à violência e ao conservadorismo

  • Ministério Público recebe denúncias de violência contra a mulher em posto na Central do Brasil

  • 8 de março: nossa bandeira é a economia feminista

  • Governo Lula trará avanços para mulheres, &39;mas existem limites&39;, diz Nalu Faria, da MMM

Outras notícias

  • Enem: curso preparatório de Maricá disponibiliza aulas online para estudantes de todo o Brasil

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:

Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap